Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Medicamento que previne formas graves de doença respiratória começa a ser distribuído sexta-feira

Publicação:

remédio para bebês com doenças respiratórias graves será distribuído pelo SUS. Confira os critérios para a aquisição de medicamentos. Imagem: pés e perninhas de um bebê.

A partir de sexta-feira (15), a Secretaria Estadual da Saúde (SES/RS) começa a distribuir para todas as regiões do Estado doses de Palivizumabe, anticorpo monoclonal (utilizado para tratar diversas doenças) que previne as formas graves da doença respiratória causada pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR). A sazonalidade deste vírus vai de abril a agosto, com pico em junho e julho. O VSR é responsável por até 75% dos casos de bronquiolite grave.

Atualmente, os critérios de inclusão para receber o medicamento são: crianças menores de um ano que nasceram prematuras, com idade gestacional menor ou igual a 28 semanas; crianças menores de dois anos com doença pulmonar crônica em função da prematuridade; crianças menores de dois anos com cardiopatia congênita. “São três grupos bem específicos que tem indicação para o Palivizumabe”, explica a médica pediatra Celia Boff de Magalhães, da Seção de Saúde da Criança da SES/RS. Esta ação tem por objetivo diminuir a mortalidade infantil e morbidade dos pacientes egressos das UTIs neonatal existentes no Rio Grande do Sul.
O anticorpo monoclonal Palivizumabe é usado durante a circulação do VSR no Estado. Após a primeira dose – recomendada para antes do início da sazonalidade - as subsequentes devem ser dadas com intervalos de 30 dias, no total de até cinco doses. Depois de agosto, a circulação do vírus cai.
O uso do Palivizumabe, a partir de 2011, ocasionou uma redução drástica da bronquiolite grave em todo o Estado, com diminuição da taxa de hospitalização relacionada a ele. Na segunda-feira (11), técnicos da Seção da Saúde da Criança e da Coordenação de Política de Assistência Farmacêutica (CPAF) promoveram uma reunião para fazer um histórico do Palivizumabe e técnicas de aplicação, apresentar a Nota Técnica 2019 e respectivas mudanças em relação à anterior, bem como prestar informações sobre dispensação, registro, movimentos, fluxo, relatórios, distribuição de medicamentos e organização de agendas.
Nota Tecnica Estadual Palivizumabe atualizada 02 19 2 (.pdf 219,39 KBytes)

Secretaria da Saúde